sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

ORGULHO TABOENSE 5 - FRANCISCO JOSÉ SOARES FEITOSA


SOARES FEITOSA

FRANCISCA SOUTO TEIXEIRA E JOAQUIM ALVES FEITOSA - AVÓS PATERNOS

À esquerda, avó Francisquinha, oitenta e tantos, porém lúcida; o avô Joaquim, beirando os 90. Atrás (excetuando as crianças), a mãe, o primo José Ulisses, Soares Feitosa, o tio Vicente, sua esposa e Edite(prima)

FRANCISCO JOSÉ SOARES FEITOSA, conhecido por SOARES FEITOSA, ilustre poeta, reconhecido pela crítica, como um dos grandes escritores, nasceu na cidade de Ipú, mas, pequeno veio para Monsenhor Tabosa, onde passou a sua infância, sendo tido e havido como Taboense, portanto o é, de fato.
A sua veia poética pode se dizer herança de família pois tanto a família SOUTO, de seu pai é rica em poetas, tal qual o Antônio Souto, como o é a família materna, onde se encontra o grande sonetista Adauto Gondim.  
Seu nascimento ocorreu na cidade de Ipu, por uma fatalidade.
Como em Monsenhor Tabosa, não havia maternidade, nem médico, Tatim se mudou para aquela cidade para melhor garantir a sobrevivência da mulher e do filho esperado.
Realmente a mulher e o filho sobreviveram, mas quis a fatalidade que o chefe da família morresse, na véspera do nascimento do filho.
Com a criança, muito nova, ainda, nos cueiros, dona Anísia retornou para Monsenhor Tabosa, onde Soares Feitosa viveu os primeiros anos de sua infância e aprendeu as primeiras letras.
Inteligência fora de série, Chico José mudou-se para Nova Russas, passando a morar na casa do vigário, monsenhor Leitão, primo de sua mãe. De lá, Francisco José foi para o seminário.
Deixando a batina, prosseguiu com os estudos, bacharelou-se em Ciência Jurídicas e Sociais e ingressou na Receita Federal, no posto de fiscal.
Elogiado pelos que cultuam as letras portuguesas, SOARES FEITOSA é um dos mais ilustres taboenses, da atualidade.

 SOARES FEITOSA, Francisco José, 19.01.1944, Ipu, CE. Infância em Monsenhor Tabosa, CE. Ingressou no jornalismo, ainda menor de idade, repórter no jornal Gazeta de Notícias. Aos 20 anos, concurso ao Banco do Brasil e Fiscal do Consumo, atual auditor da ReceitaFederal, de que se aposentou depois de 35 anos de serviço. Trabalhou no Recife e em Salvador. Até os 50 anos, não se envolveu com Literatura, nada tendo escrito até então. Publicou um único livro, Psi, a Penúltima, em 1997, esgotado, com ampla repercussão à crítica especializada. Mantém na Internet o Jornal de Poesia, imenso, inesgotável, autêntica Biblioteca de Alexandria, milhares de poetas e, segundo o Google, o mais visitado endereço de poesia de língua portuguesa em toda a rede mundial de computadores.

 FONTES: 

http://www.revista.agulha.nom.br/equipe.html
Anotações de J. Helder Mesquita

LEIA NA PÁGINA DO JORNAL DE POESIA CLICANDO  AQUI



SOARES FEITOSA POR ELE MESMO...


"Nasci em 19.01.44, Ipu, CE, mas a infância passei-a em Monsenhor Tabosa, também no Ceará. Órfão de pai ao nascer.  

Fui jornalista na juventude; caixeiro-viajante no Piauí; depois funcionário do Banco do Brasil. Aos 21 anos já era Fiscal do Consumo. Sempre por concurso. Aos 22, casei com uma serrana, Glaucineide, e com ela tenho cinco filhos.

Em 1993, quase aos cinqüenta anos, escrevi meu primeiro poema. Até então, nenhuma ligação com o meio literário. Dedicava-me exclusivamente aos assuntos tributários, da atividade de auditor fiscal, e ao acompanhamento da atividade dos filhos, vários açougues na praça do Recife, uma empresa de médio porte que quebrou bem quebradinha depois que me meti a poetar. Ou, pelo contrário — um enigma até hoje não resolvido —, ter-me-ia estabelecido poeta ante a quebra dos açougues. O fato é que, do dia para a noite, de açougueiro e tributarista, inventei-me à poesia. Precisamente na manhã do dia 19.09.1993, quando escrevi, num tirinete, o Siarah.

Em 1996 iniciei a publicação artesanal do livro Réquiem em Sol da Tarde. Ainda em 1996, fundei, na Internet, o Jornal de Poesia. Em 1997 publiquei o primeiro livro, Psi, a penúltima - esgotado.

Morei 14 anos no Recife e quatro em Salvador. Retornei para Fortaleza (2001) já aposentado, tempo completo, 35 anos, prego batido, ponta virada. Em fortaleza, completo o leite das crianças com a atividade de especialista em tributos (Feitosa Consultoria Tributária e Advogados Associados, OAB-CE nº 288)..

Mantenho, na Internet [Jornalista - DRT, CE, REG nº 364, 15.5.1964], além do Jornal de Poesia, o Jornal de Tributos e o Jornal de Filosofia. Sou o jornalista responsável pela revista eletrônica Agulha, editada por Floriano Martins e Claudio Willer, hospedada aqui dentro do Jornal de Poesia.

Planejo — antes que a ceifeira chegue — mais um monte de coisas, dentre elas editar Salomão, um projeto praticamente sem fim."


FONTE: 

Nenhum comentário: