segunda-feira, 11 de abril de 2011

2º ÓBITO POR DENGUE EM MONSENHOR TABOSA











Dessa vez a vítima foi o jovem ANTÔNIO ROGÉRIO SERAFIM CARVALHO, 23 anos, filho de Antônio Jacinto Carvalho e Maria Engrácia Serafim de Carvalho. Portador de um marca-passo desde os 15 anos de idade, Rogério levava uma vida normal em Monsenhor Tabosa onde atualmente trabalhava como motorista de caminhão de entrega em uma loja de móveis. Rogério estava namorando uma irmã de Eudes, a primeira vítima de dengue hemorrágica em nossa cidade e, inclusive, transportou o cunhado na sua doença. Os primeiros sintomas de dengue se manifestaram em Rogério, logo depois de sua chegada da "sentinela "pelo cunhado, na noite de quinta-feira (07 de abril). Febre alta, em torno de 40 graus e pela manhã Rogério teve constatado por exames laboratoriais, uma baixa acentuada de plaquetas (em torno de 15 mil) que tem sua normalidade entre 150 mil e 450 mil plaquetas por mm³ de sangue. Ao ser constatada dengue Rogério foi internado. Porém na tarde de domingo o quadro complicou, sendo transferido para Sobral, indo direto para a UTI de onde não mais sairia. Segundo seu pai, Rogério, antes de chegar a Sobral apresentou uma paralisia de metade do corpo, que poderia ter ocorrido por seus problemas cardíacos.O corpo foi levado ao IML de Fortaleza de onde foi liberado na noite desta segunda-feira (11) para sepultamento.

Aí está amigos taboenses, a seriedade com que deve ser tratada a questão da dengue em nossa pequena cidade. Filhos estão morrendo devido o descaso e o desrespeito de indivíduos irresponsáveis que não cumprem princípios básicos de higiene e limpeza de suas casas.

A DENGUE MATA, SE VOCÊ NÃO ACREDITA AINDA, VÁ AMANHÃ A CASA DE NOSSO AMIGO ROGÉRIO E CONSTATE EM QUE ESTAMOS METIDOS. 

A você meu amigo Antônio Jacinto e a Dona Engrácia, meus sinceros pesâmes.

2 comentários:

Luiz Robsniel de Mesquita Rodrigues disse...

Meus pêsames a família,nesse momento de dor por perda de um filho, a meu amigo Antonio Jacinto e a minha amiga Dona Ingracia.

Neto Madeiro disse...

Meu amigo Dr. Luiz Mesquita. Ótima abordagem do problema. Acho que as questões, sejam de saúde, educação, etc...etc...Não é responsabilidade apenas do poder público. É da sociedade como um todo,no entanto, os órgão encarregados de gerenciar as referidas questões, têm de apresentarem soluções, ou no mínimo, engajar-se por completo e tenazmente, em campanhas de esclarecimento.
Esse artigo que você escreveu aqui, cumpre em parte essa missão, pois chama todos à responsabilidade.

Um abraço fraterno à todos e especialmente a família enlutada.

Neto Madeiro.